SISTEMA ENDOCANABINÓIDE. Ele existe e é ESSENCIAL para a SAÚDE HUMANA

XAVIER, Josilda B.L.M.[1]

Universidade do Estado da Bahia – UNEB


O organismo humano, se constitui a partir de uma bela e complexa rede de conexões entre sistemas, células, molécula e substâncias bioquímicas. O corpo humano é, portanto, um sofisticado conjunto de sistemas que atuam em sinergia para garantir nossa saúde e bem-estar. Esses sistemas (nervoso, digestório, sensorial, excretor etc.), constituintes do corpo humano, são conhecidos por uma parte da população a partir dos conteúdos trabalhados em sala de aula do Ensino Básico (Ciências e Biologia) e Ensino Superior (Fisiologia Humana, Química Orgânica etc.).


As várias funções dos órgãos que compõem os sistemas do corpo humano precisam se manter em equilíbrio, de modo que não haja sobrecarga, excessos ou falta de nutrientes. Comumente é afirmado que esse “comando” é dado pelo Sistema Nervoso.


Entretanto, só em 1964, a partir de pesquisas feitas pelo Químico Orgânico, Raphael Mechoulam, nascido em Sofia (Bulgária), professor de Química Medicinal na Universidade Hebraica de Jerusalém em Israel que, junto com Y. Gaoni, C. Trips e S. Benezra, apresentaram para o mundo, outro sistema que compõe e regula o organismo humano, juntamente com o sistema nervoso, o Sistema Endocanabinóide – SEC (CANNABIS&SAÚDE, 2020; MALCHER-LOPES; ROBEIRO, 2007; WIKIPÉDIA, s/d), artisticamente representado na imagem abaixo. A descoberta do Sistema Endocanabinóide faz do professor Mechoulam merecedor de destaque entre os grandes cientistas de todos os tempos.


O Sistema Endocanabinóide é um sistema fisiológico constituído de receptores e ligantes endógenos, conservado filogeneticamente, responsável por diversos controles relacionados à homeostase neuronal (CASTRO, 2020). O Sistema Endocanabinóide também se encontra nas interseções de vários sistemas, permitindo a comunicação e coordenação entre as células. O Sistema Endocanabinóide desempenha um papel modulador nos seguintes sistemas: Sistemas Nervoso Central e Periférico (SNC e SNP); Sistema Endócrino; Tecidos Imunológicos e Metabolismo. (ROYAL QUEENS SEEDS, 2020; MECHOULAM et al, 1998, In; MOREIRA; CRIPPA, 2009).


O Sistema Endocanabinóide é formado de três elementos chave: endocanabinóides, receptores canabinóides e enzimas (ROYAL QUEENS SEEDS, 2020):


# Endocanabinóides: São sintetizados dentro corpo (endo) e atuam como moléculas sinalizadoras que se ligam aos receptores canabinóides. Os principais endocanabinóides identificados são aracdonil- etanolamida (AEA) e o 2-aracdonil-glicerol (2-AG). Em virtude de sua ação homeostática neural, o endocanabinóide AEA foi também denominado de Anandamida, sendo o termo originado da palavra sânscrita “ananda”, que significa felicidade serena, bem-aventurança ou felicidade perfeita (MECHOULAM et al, 1998, In; MOREIRA; CRIPPA, 2009).



# Receptores canabinóides: O Sistema Endocanabinóide apresenta dois tipos principais de receptores, o CB1 e o CB2, localizados em vários tipos de células por todo o corpo. Os canabinóides são de três tipos: endocanabinóides (produzidos dentro do corpo); os fitocanabinóides (encontrados nas plantas); e os canabinoides sintéticos produzidos em laboratório. Os canabinóides ligam-se, bloqueiam ou moldam a atividade destes receptores. Os receptores CB1 são encontrados no cérebro, medula espinhal, células adiposas, fígado, pâncreas, músculos esqueléticos, trato gastrointestinal e sistema reprodutor; o CB2, nas células imunitárias, trato gastrointestinal, fígado, células adiposas, ossos e sistema reprodutor. (ROYAL QUEENS SEEDS, 2020; MALCHER-LOPES; RIBEIRO, 2007).



# Enzimas metabólicas: são proteínas que catalisam as reações químicas. O Sistema Endocanabinóide apresenta enzimas que produzem e decompõem os endocanabinóides. Sendo uma das principais enzimas no sistema, a hidrólise de amidas de ácidos gordos (FAAH) decompõe a anandamida. (ROYAL QUEENS SEEDS, 2020). Essas enzimas quebram os endocanabinóides depois de serem usadas. Endocanabinóides, por sua vez, são pequenos neurotransmissores retrógrados baseados em lipídicos, estimulando os receptores canabinóides. Esses receptores estão localizados na superfície da célula (UNNI; STIPP, 2020).


Iniciamos esse texto, destacando a beleza da rede de conexões sistêmicas que constitui o corpo humano, chamando a atenção para a importante descoberta do Sistema Endocanabinóide em meados do século XX, portanto uma descoberta relativamente recente para o contexto científico, já que a Ciência surge, da forma como a conhecemos, no século XVI. Descobertas como essa corrobora os argumentos de alguns pesquisadores ao afirmarem que “sabemos menos do nosso próprio organismo do que sabemos a respeito da Lua” (CANNABIS&SAÚDE, 2020). Lamentavelmente.


Vimos que, segundo os neurocientistas que atuam nas áreas da Neurobiologia, Neuropsicologia, os endocanabinoides e seus receptores se encontram espalhados por todo o corpo, em membranas celulares do cérebro, órgãos, tecidos conjuntivos, glândulas e células do sistema imunológico. Em cada parte do organismo o Sistema Endocanabinóide executa tarefas diferentes, sempre com o mesmo propósito: a estabilização do ambiente interno do corpo, independente das variações externas, ou seja, na manutenção do equilíbrio da fisiologia humana, a homeostase.


Diante do papel essencial que o Sistema Endocanabinóide desempenha para no nosso organismo (Ver figura abaixo), é preciso buscarmos responder as seguintes perguntas:



O que acontece se o Sistema Endocanabinóide ficar desregulado?


Como podemos estimular nosso Sistema Endocanabinóide?


As investigações na área da Neurociência sugerem que todos temos um "tom endocanabinóide" ideal, um termo que descreve o volume de canabinóides produzidos e que circulam pelo corpo. Uma escassez de endocanabinóides pode desencadear um processo conhecido como deficiência endocanabinóide clínica (DEC). Desse modo, é preciso e possível mantermos o nosso Sistema Endocanabinóide em seu nível funcional ideal e sob controle, através de meios naturais e simples, tais como (LEE, 2020; ROYAL QUEENS SEEDS, 2020; UNNI; STIPP, 2020):


i) Fitocanabinóides: uso de canabinóides oriundos de plantas. A investigação sugere que podem ser úteis quando há um baixo nível de endocanabinóide, derivado de algumas disfunções orgânicas ou em consequência da idade;


ii) Exercício aeróbico: a prática de atividades aeróbicas como a corrida e o ciclismo podem ser uma forma simples de reforçar os níveis de anandamida no cérebro. Ao que tudo indica, a anandamida pode estar na raiz de sentimentos agradáveis após essas atividades;


iii) Ácidos gordos ômega: o nível de endocanabinóide baixo também está relacionado à dieta. O corpo precisa de ácidos gordos ómega-3 para sintetizar os endocanabinoides. Os alimentos ricos em ômega-3 incluem o peixe, sementes de cânhamo, nozes, sementes de linhaça, sementes de chia etc.;


iv) Cariofileno: um terpeno encontrado em muitas ervas culinárias (e na cannabis), o cariofileno também atua como um canabinóide dietético, ligando-se diretamente com o receptor CB2. Este mecanismo de ação permite que a molécula suavize os nervos e eleve a disposição. O alecrim, pimenta preta, lúpulo, cravo-da-índia e orégano contêm níveis altos da molécula cariofileno;


v) Canabinoides dietéticos: é certo que a cannabis produz mais de 100 canabinoides, no entanto, há outras plantas que também produzem membros desta família química. Eis algumas das mais populares: Trufas: anandamida (CB1, CB2); Echinacea: alcamida (CB2); Maca: macamida (CB1); Kava: yangonina (CB1); Malagueta: capsaicina (TRPV1); Pimenta preta: piperina (TRPV1); Gengibre: gingerol e zingerona (TRPV1); Cacau: N-oleoletanolamina e N-linoleoiletanolamina (inibe a FAAH).


As pesquisas realizadas a partir da descoberta do Sistema Endocanabinóide em 1964, revelou o quanto esse sistema é primordial para a homeostase do organismo humano, que precisamos buscar na natureza as substâncias bioquímicas que promovem o fortalecimento da saúde humana proeminente na fisiologia humana.


Este sistema abrangente governa muitos dos processos do corpo, e é preciso dar os passos necessários para cuidar do nosso Sistema Endocanabinóide, enquanto ação sensata e responsável.




[1] Docente do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da UNEB/DEDC/Campus VIII-Paulo Afonso.

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/0838920937933125




REFERÊNCIAS


CANNABIS&SAÚDE. Sistema Endocanabinóide: o que é, como funciona e cannabis medicinal? Redação Cannabis & Saúde. Publicação em: 14 set 2020. Disponível em: https://www.cannabisesaude.com.br/sistema-endocanabinoide-o-que-e-e-como-funciona/


CASTRO, Luis Henrique Almeida. Sistema Endocanabinóide: conceitos, história e possibilidades terapêuticas. Ciências e Cognição. Publicação: 04/11/2018. Disponível em: http://cienciasecognicao.org/neuroemdebate/arquivos/4365


FONSECA, B. M.; COSTA, M. A.; ALMADA, M.; SOARES, A.; CORREIA-DA-SILVA, G.; TEIXEIRA, N. A. O Sistema Endocanabinóide – uma perspetiva terapêutica. Acta Farmacêutica Portuguesa, 2013, vol. 2, n. 2, pp. 97-104


LEE, Adrian Devitt. Diversas plantas na natureza – que não só a cannabis – interagem com o Sistema Endocanabinóide. Quais são elas? Terapêutica Canabinóide. Medicina Orgânica. 31 de julho de 2020. Disponível em: https://medicinacanabinoide.org/2020/07/31/diversas-plantas-na-natureza-que-nao-so-a-cannabis-interagem-com-o-sistema-endocanabinoide-quais-sao-elas/


MALCHER-LOPES, Renato; RIBEIRO, Sidarta. Maconha, cérebro e saúde. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2007. 176p.: il.;(Ciência no bolso)


MECHOULAM R; FRIDE E; DI MARZO V. Endocannabinoids. Eur J Pharmacol 1998; 359:1-18 Disponível em: https://www.uniad.org.br/wp-content/uploads/2009/08/O_Sistema_Canabinoide_Endogeno.pdf


MOREIRA, Fabrício de Araújo; CRIPPA, José Alexandre de Souza. O Sistema Canabinóide Endógeno. 2009. Disponível em: https://www.uniad.org.br/wp-content/uploads/2009/08/O_Sistema_Canabinoide_Endogeno.pdf


ROYAL QUEENS SEEDS. Um Guia Completo Sobre o Sistema Endocanabinoide. Royal Queens Seeds. Ano/2020. Disponível em: https://www.royalqueenseeds.pt/content/140-um-guia-completo-sobre-o-sistema-endocanabinoide


UNNI, Anooradha; STIPP, Paula. O Sistema Endocanabinóide. Hemppedia. Abril 3, 2020. Disponível em: https://hemppedia.org/pt/o-sistema-endocanabinoide/


WIKIPÉDIA. Raphael Michoulam. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Raphael_Mechoulam