INTER-RELAÇÕES ENTRE A COVID-19 E O ENSINO DA BOTÂNICA

Diego Augusto Oliveira Dourado

Doutorando em Educação em Ciências: Química da Vida e da Saúde / UFRG

Orientadora Profa. Dra. Cecília de Fátima Castelo Branco Rangel de Almeida


A nossa pesquisa objetiva-se em investigar a relação entre a aplicação de projetos de Alfabetização e Iniciação Científica na área de Botânica, a aquisição de competências e desenvolvimento de habilidades que contribuem para o melhor entendimento dos alunos do Ensino Médio, sobre o ambiente natural, a identificação, classificação e importância da vegetação do bioma Caatinga.

Compreendemos que a Botânica é a parte da Biologia que estuda as plantas e as algas, em diversos níveis, evolutivos, fisiológicos, taxonômicos, ecológicos, anatômicos, genéticos, histológicos, dentre outros. Nomear partes de uma planta é uma tarefa atemporal que condiz com o próprio surgimento da humanidade. Inúmeros medicamentos surgiram a partir do estudo minucioso desses vegetais, alguns deles que auxiliam no combate dos sintomas de inúmeras viroses e no fortalecimento do sistema imunológico, como o famoso ácido ascórbico, tão comum nas frutas cítricas.

Neste sentido, questionamos: Existe alguma relação da COVID-19 com nosso tema de pesquisa? A resposta é sim, e está alicerçada em três parâmetros: a) A reflexão sobre relação entre o confinamento social e o atual sistema econômico e os danos causados a biodiversidade, com ênfase na flora; b) A necessidade da implementação da Alfabetização e Iniciação Científica na escola como promotora do entendimento do Método Científico e dos mecanismos relacionados as Ciências; e c) A valorização da pesquisa científica botânica e a compreensão dos benefícios de seus resultados práticos para a ciência, tecnologia e sociedade.

Em um mundo de isolamento social, inúmeras reflexões e análises sobre o atual sistema econômico foram realizadas. Depois de muita luta dos ambientalistas, para a proteção do meio natural, muito pouco foi ouvido, realizado ou refletido. Em um planeta globalizado e capitalista, o primor está relacionado ao capital, ao poder e a supremacia. A economia está acima das pessoas e da biodiversidade, da biosfera como um todo. No desenvolver desse sistema, vimos o quanto a Terra sofreu. E só agora percebemos, que até “o gigante do capitalismo” pode parar, e que de uma forma ou outra, nossas vidas continuam.

Neste contexto, percebemos que as plantas são de extrema importância para o equilíbrio da vida e existência humana, sendo utilizadas como: alimentos, medicamentos, fabricação de roupas e utensílios. Para que esse sistema econômico funcione, grandes áreas vegetacionais são devastadas, comprometendo toda uma dinâmica existente nos ecossistemas. Desse modo, cabe a nós educadores e/ou pesquisadores, realizar com os nossos alunos, ainda no âmbito da educação básica, sensibilizações sobre que mundo queremos deixar para os que virão. Todas essas reflexões enquadram-se no âmbito do nosso projeto de pesquisa, que fomenta a importância do cuidado com o meio ambiente, com ênfase no bioma Caatinga, lócus onde a pesquisa de campo se realiza.

Neste sentido, enfatizamos a Alfabetização e a Iniciação Científica na escola, como mecanismos para a compreensão e expressão de opiniões sobre conteúdos de caráter científico. Em uma época de Fake News, movimentos contra vacina, crendices sobre uma Terra plana e descrédito as entidades ligadas a saúde e a ciência, é de extrema importância uma intervenção, com o objetivo de formação de sujeitos mais críticos. Durante a pandemia da COVID-19, inúmeros medicamentos surgiram, como uma cura promissora, vários deles sem nenhuma comprovação científica. Dessa forma, nossa pesquisa se faz relevante, colaborando com o conhecimento de termos e conceitos essenciais, para uma compreensão sobre as normas e métodos científicos e o entendimento sobre o impacto da Tecnologia e da Ciência na sociedade.

Com base no que foi exposto, diante de toda fragilidade do cenário atual, é necessário enfatizar para nossos alunos a importância da pesquisa científica na área da Botânica, ressaltando a relevância dos seus resultados práticos para a melhoria do meio ambiente, da saúde e qualidade de vida das pessoas. Vamos imaginar que cura da COVID -19 esteja em uma planta. Mas, para que essa hipótese seja aceita é necessário muito estudo, investimentos e valorização, e por fim, a “velha” comprovação científica, que refuta mitos e crendices e que contribui para um mundo melhor.


94 visualizações0 comentário